domingo, 24 de julho de 2011

Simplesmente amo

Eu não sou de amores ou de muito "te amo". Mas posso afirmar que quando amo, amo mesmo, amo infinitamente. E quando se trata de amigos ou família? É aí que eu me entrego mesmo. Peco até em não dizer isso a eles, mas aí estragaria tudo. Eles poderiam pensar que se trata apenas de mais um, eles então não dariam mais valor. Eles não entenderiam que ouvir os seus desabafos não é apenas uma questão de curiosidade ou de uma possível fofoca e talvez não acreditariam que só o fato de ajudá-los, me deixa melhor, me faz esquecer dos meus problemas. Mas é assim, é assim que eu amo, amo sem palavras. Gary Chapman* diria que a minha linguagem de amor seria:"Atos de serviços". Que demonstro meus sentimentos por atitudes. É, ele estaria certo. Não sou boa com palavras. Mal sei elogiar, imagine declarar meu amor e admiração. Não sei fazer charminho, não sei conquistar, mas quando acontece, eu simplesmente amo.


Amanda Laryssa

*(Gary Chapman é um conselheiro de relacionamentos e autor da série "As Cinco Linguagens do Amor")

4 comentários:

Sandro Mangueirense disse...

Amanda,

Me vi no seu texto! Assim como você, talvez eu peque por não dizer que amo as pessoas, entretanto, são através de gestos que demonstro o quanto elas significam pra mim... Acho que isso é o correto... Palaras o vento leva, já as atitudes são eternas...

Adorei seu texto!

http://estacaoprimeiradosamba.blogspot.com/

Silvana Persan disse...

De tudo que vivi, aprendi uma coisa que sempre levo comigo: as ações são muito maiores que as palavras.

Gláu.. disse...

Lindo texto!
SEguindo *--*

http://angelmartinss.blogspot.com/
http://lovesongone.blogspot.com

amanda drumont. disse...

puxa vida mandita, eu sou tão ao contrário...
peço-te um favor: promete não se assustar com o que eu vou dizer?
ao contrário de você, eu digo é mesmo, mas geralmente prefiro escrever. O amor em palavras.
te amo mandita [amo sim e daí?]