sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Querida quimera

               Às vezes tenho a sensação de não me pertencer. Enquanto falo, não percebo a minha assinatura nas palavras que saem. Eu calo, mas ainda continuo a dizer o que o outro quer que eu diga. Acomodei-me a ser assim e só agora percebi. Não sei se devo levar isto para o lado positivo ou negativo.  Sem hipérboles piegas, mas ando perdida em mim. Essa inquietude por não saber quem sou e permanecer na minha interrogação pessoal. Confusão reservada a mim e a esta simplória página que me salva sempre quando possível. Aliás, escrever se tornou salvação. Escrevo porque após parece assunto encerrado. "Parece"? Transpareço minhas incertezas de forma descarada. Incertezas que tornam minhas únicas certezas algo precioso. Basicamente duas: Deus existe e meu humilde amor por alguns. Salvo ambas, volto ao questionamento. 

               Cada um sabe o que melhor lhe parece curioso. A origem do mundo, a existência de entidades, definir o real... e eu fico presa sem saber, ao menos, me explicar. Parece uma reclamação, porém não passa de uma descrição. Uma regurgitação do meu lado amargo, sem cores. Que alguns preferem ignorar, no entanto é o que mais me presenteia. Sem dúvidas, é o que mais me surpreende. Sem fazer alusão ao que já foi imposto como regra, o preto e branco pode consistir em doçura tanto quanto em frieza. Em amizade ou em solidão. Apenas, ao contrário do colorido, remete à calmaria. E ao que sou.

               Ensaiei alguns finais para este texto, mas quem sou para por fim em algo que não passou de um rascunho mal feito. Um trecho apenas. Algumas linhas que pularam dos meus pensamentos ao acaso. Queria eu, colocar tudo, parágrafo após parágrafo do que se encena em meus queridos devaneios. Mas a vida me chama e terei que parar como em um flash. "É vida que segue."

Amanda Laryssa
               

3 comentários:

Paulão Fardadão Cheio de Bala disse...

Vulva de emergência.

Anônimo disse...

Amanda ou Danda...as vezes é difícil dizer se é a mesma pessoa. Com todas suas duvidas,pretensões,com todo seu "jeitinho" consegue me persuadir,um enigma,um dos bem confusos. A mesma as vezes fica confusa consigo. Mas o que eu posso dizer,se o seu sorriso me encanta...se o jeito que você escreve me faz sentir o que você sente. São essas coisas que realmente contam.

Fernanda Curvellano disse...

As vezes me sinto muito assim, principalmente quando pedem para me auto descrever. Gostei da forma como escreve e passa suas ideias para palavras... Voltarei mais vezes. Beijos